Justiça divina. Caçador morre esmagado por fêmea de elefante

0
698
Botha, que era especialista na caça de leopardos, foi comer capim pela raiz mais cedo do que imaginava (Foto: reprodução)

Um dia é da caça e outro é do caçador. Essa máxima tornou-se realidade na sexta-feira, 19, quando um grupo de caçadores foi dar um passeio e deparou-se com um bando de elefantes em acasalamento, e o caçador profissional Theunis Botha, 51 anos, morreu esmagado por uma aliá (fêmea de elefante).

 

De acordo com as informações, três elefantes investiram contra os caçadores em Gwai, no Zimbábue, tendo Botha atirado contra eles. Porém Botha  foi surpreendido por uma quarta fêmea, que surgiu pela lateral e o atacou, levantando-o com a tromba. Um dos caçadores atirou contra ela, matando-a.

 

Só que a fêmea, por azar de Botha, ou por justiça divina, desabou em cima do caçador, matando-o por esmagamento. Seus amigos ainda tentaram fazer alguma coisa para salvá-lo, mas foi em vão. Botha estava morto, como muitas de suas vítimas ao longo de sua vida de caçador implacável.

 

O caçador sul-africano era conhecido por organizar safáris de caça, quando usava a técnica européia de conduzir a presa a uma emboscada usando cães. Botha, que era também especialista na caça a leopardos – e muitos tiveram fim trágico graças aos seus disparos certeiros – deixa a mulher e cinco filhos.

 

Botha era amigo do também caçador Scott van Zyl, que no dia 07 do mês passado desapareceu em Chikwaraka, no Zimbábue. Na ocasião seis amigos iniciaram uma busca pela região, e depois de alguns dias sua mochila foi encontrada nas margens do Rio Limpopo.

 

No local dois crocodilos foram baleados e amostras retiradas dos estômagos deles foram levadas para exames de DNA. O resultado mostrou que as amostras coincidiram com o DNA de Scott. Com a morte de Scott, a África ficava livre de mais um caçador sanguinário, que matava por esporte.

 

 

COMPARTILHAR

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here